Projetos de Pesquisa

 
Linha 1 - Práticas comunicacionais e tempo social
___________________________________________________________________________________________________________
 
Mapeamento da pesquisa em comunicação sobre entrevista
Profa. Dra. Agnes Francine de Carvalho Mariano
 
O presente projeto busca caracterizar o modo como a entrevista vem sendo estudada na pesquisa científica brasileira recente no campo da comunicação. A expressão “entrevista” está sendo usada para definir a interação oral face a face, baseada no par dialógico pergunta-resposta, utilizada por jornalistas e outros profissionais da comunicação como uma das principais formas de coleta de dados para a elaboração de notícias, reportagens e documentários. A investigação observará especialmente a produção científica dos últimos 10 anos veiculada em anais dos principais congressos. Também serão consultados livros, artigos em revistas científicas, dissertações, teses. Os pontos a serem observados são: tipologias e conceituações; procedimentos e técnicas; problematizações (aspectos abordados e silenciados) e aportes teórico-disciplinares. Uma pesquisa exploratória inicial indica que, a despeito da grande relevância da entrevista, que afeta todas as etapas da produção do texto jornalístico, a bibliografia sobre o tema é modesta. Ou seja, a entrevista vem sendo estudada de forma marginal, esporádica e fragmentada. O que poderia significar, no campo da comunicação, a manutenção de uma abordagem superficial das dimensões psico-afetivas e éticas relacionadas a qualquer entrevista, que certamente repercutem também no ensino, na prática da entrevista e talvez até no modo como pesquisadores, com formação em comunicação, entendem e praticam a entrevista. Ao mesmo tempo, o projeto pretende identificar quais são os avanços na pesquisa sobre o tema e em que direção eles apontam, especialmente em termos de diálogos inter e transdisciplinares.
 
Estética da comunicação e música popular: o local da cultura e o tempo social em Vira Lata na via Láctea, de Tom Zé
Prof. Dr. Claudio Rodrigues Coração
 
Pretendemos, com este projeto, relacionar aspectos da comunicação midiática com os propósitos estéticos presentes no álbum Vira Lata na via Láctea (2014), do músico e compositor Tom Zé. Ao tratar dessa vinculação, é fundamental localizar as dinâmicas do tempo social e do local da cultura (cf. BHABHA, 1998), nas representações do álbum, e como tais representações são reveladoras de um debate sobre a cultura pop midiática. Nosso projeto propõe, portanto, a articulação teórico-epistemológica entre a comunicação e os sentidos de “consciência do ser no tempo” (cf. MARTINO, 2007). Se estamos propondo um debate de entrosamento entre música popular e comunicação, as abordagens analíticas podem ser identificadas pela apropriação cultural e pela estetização midiática. Nesse sentido, é prudente avaliarmos as intervenções estéticas e temáticas de Vira Lata na via Láctea como elementos de verificação de trânsitos textuais, teóricos e conteudísticos. Para isso, utilizaremos um método que prevê a interconexão teórica da comunicação com os conceitos de local da cultura e tempo social.
 
Artesanato e Cultura Midiática II: os sujeitos artesãos e a prática cultural
Profa. Dra. Denise Figueiredo Barros do Prado
 
Este projeto propõe analisar como as artesãs marianenses compreendem sua prática cultural e a veem em diálogo e inserida na cultura contemporânea. Isto se deve, especialmente, pela observação de que vem se tornando cada vez mais comum a venda de produtos artesanais no comércio de Mariana com sinais marcadamente midiáticos, como bonecos de pano feitos a mão à imagem dos desenhos Peppa Pig, Galinha Pintadinha e Super-Heróis da Marvel e Chaves. Nesta abordagem, pretende-se entrecruzar uma análise contextual compreendendo o lugar da mídia na reconfiguração das relações sociais e da cultura, bem como uma compreensão sobre como as artesãs compreendem sua prática cultural e a inserem neste contexto. Propõe-se analisar a fala dessas artesãs, registradas a partir de entrevistas em profundidade realizadas na fase I deste projeto, nas quais são tematizadas suas relações com as suas práticas culturais, suas aprendizagens e a constituição de seu repertório cultural.
 
A diversidade como fio editorial em TRIP e TPM: reconhecimento do tempo e afirmações identitárias
Prof. Dr. Frederico de Mello Brandão Tavares
 
A pesquisa aqui proposta busca dar sequência ao projeto A diversidade como fio editorial em TRIP e TPM: moralidades e valores de um só mercado?. No primeiro momento, buscou-se observar relações existentes em acionamentos acontecimentais e temáticos no jornalismo, questionando a incorporação da diversidade como elemento editorial em um circuito de sentidos incorporado por uma mesma instituição e materializados, jornalisticamente, em duas publicações de idêntica periodicidade, semelhantes visões de mundo, mas voltadas para distintos públicos: as revistas TRIP e TPM. Buscou-se, desde agosto de 2016, percorrer a transversalidade originada pela representação da diversidade em tais revistas e, desse modo, compreender as afetações e/ou determinações que nela aparecem, concretizando a diversidade como perspectiva editorial e, ao mesmo tempo, trazendo à sua representação aspectos de uma problemática mais ampla, indicadora de lacunas e questões ideológicas. Para este momento seguinte, a partir dos primeiros resultados obtidos, principalmente após levantamento e problematização do acervo digital das publicações, busca-se, tendo como objeto edições comemorativas de TRIP e TPM, observar as relações existentes entre ações de autorreferencialidade midiática e lógicas próprias de celebração editorial em meios de comunicação consolidados no mercado de revistas brasileiras. Dessa forma, pretende-se compreender as dinâmicas que aparecem na configuração de edições especiais de publicações específicas, problematizando de que maneira edições comemorativas, mais que revelar traços identitários de um periódico, apontam para relações do jornalismo com temporalidades sociais e também com a representação do próprio tempo como categoria e gancho jornalísticos.
 
Narrativas audiovisuais, juventude e identidade: linguagens como registros de memória na constituição do sujeito
Profa. Dra. Hila Bernadete Silva Rodrigues
 
Este projeto de pesquisa pretende investigar a maneira como os jovens da região dos Inconfidentes acionam imagens, palavras, lembranças e histórias para abordar o universo em que vivem e os dilemas que enfrentam. Para isso, serão analisados conteúdos audiovisuais produzidos recentemente por jovens de 15 a 24 anos envolvidos em atividades culturais e educativas na rede pública de ensino local. A ideia é revelar, a partir do exame das narrativas apresentadas, os processos cognitivos que permitem o estabelecimento de uma relação entre linguagem, memória e identidade. Os procedimentos metodológicos, centrados no exame das narrativas apresentadas, visam à análise de três elementos-chave: as estratégias discursivas presentes nos textos, imagens e sons produzidos; as representações sociais edificadas pelos próprios jovens; e os enquadramentos adotados por esse segmento geracional para narrar os acontecimentos. A pesquisa se ancora no exame de conteúdos audiovisuais diversos, embora enfatize as abordagens de cunho social caso, por exemplo, dos trabalhos inspirados em questões étnico-raciais , de forma a trabalhar a relação entre comunicação, educação e cidadania.
 
Políticas de Comunicação: histórias, discursos e propostas
Profa. Dra. Juçara Gorski Brittes
 
Este projeto abrange uma série de estudos, em andamento e iniciantes, desenvolvidos por um grupo de professores do Curso de Comunicação Social/Jornalismo, da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). O fio condutor, como indicado no título, é formado pelas políticas de comunicação, enfocadas em distintas perspectivas: marco regulatório, análise dos discursos midiáticos a respeito do tema em tela, compondo estudo de casos múltiplos. A pesquisa será iniciada no Brasil, mas será estendida para outros países da América Latina.
 
Quem é essa menina? Afetos, imagens, representações e imaginários da infância feminina
Profa. Dra. Karina Gomes Barbosa
 
Pensar as meninas na Comunicação Social requer um imbricamento entre gênero e infância. No que diz respeito à infância, grande parte das pesquisas no campo da  Comunicação se volta para questões de políticas de comunicação, como para os debates em torno do sistema de classificação indicativa e da proteção aos direitos da criança e do adolescente em relação aos sistemas de mídia. Também há uma série de pesquisas do campo da Comunicação que tratam de produtos da cultura de massa voltados à infância. O fato é que ainda há lacunas para se pensar a infância engendrada no âmbito das práticas comunicacionais contemporâneas. É nessa interseção que esta pesquisa se insere, buscando pensar as maneiras pelas quais a cultura de massa, especificamente os produtos comunicacionais da cultura de massa, atua na construção e circulação de afetos, imagens, representações e imaginários da ideia de menina – e quem é essa menina. Esta é a questão central que move esta pesquisa, questão que suscita outras, tais como: que meninas são representadas e imaginadas pela cultura de massa?; o que essas representações excluem e no que insistem, o que reiteram – e como essas imagens circulam afetos?; como as articulações raça-gênero- classe-etnia se apresentam nesses discursos e imaginários?; quais as relações entre tais afetos e imaginários e o consumo?; como as questões de idade e juventude atuam nessas configurações?
 
Gêneros, angulações e temporalidades na produção de perfis nas revistas Brasileiros e piauí
Profa. Dra. Marta Regina Maia
 
Este projeto tem por objetivo traçar um diagnóstico das produções de perfis, tendo como corpus de pesquisa duas revistas brasileiras: piauí e Brasileiros. Retoma, assim, parte do projeto de pesquisa já realizado entre 2012 e 2014 (com bolsistas PIBIC e PIP), bem como no estágio de pós-doutoramento da proponente, no sentido de atualizar os resultados obtidos por intermédio de nova coleta de informações e propor uma nova proposta metodológica de sistematização dos dados. A partir desse mapeamento, pretende identificar os principais gêneros utilizados, classificar as angulações dos perfis produzidos (tanto de pessoas célebres como de pessoas comuns) e as temporalidades configuradas nas produções. Para isso, utiliza a seguinte definição de perfil: composição textual discursiva do sujeito a partir de determinadas angulações que traduzem as perspectivas adotadas na escolha do perfilado, na captação e na edição. Marcado pela hibridização de áreas fronteiriças entre a comunicação, a história e a literatura, o perfil, como recorte de momentos na vida de uma pessoa, compreende estes discursos também na perspectiva da reportagem e dos gêneros jornalísticos. Ao definir estas duas publicações como corpus da análise tem-se como base refletir sobre um tipo de jornalismo que desconsidera os cânones consagrados da narrativa jornalística convencional.
 
 
Docentes Linha 2 - Interações e emergências da comunicação
___________________________________________________________________________________________________________
 
A ditadura apropriada: anacronismos e ressignificações de fotografias assimiladas em obras de arte contemporâneas que tematizam os regimes militares latino-americanos
Profa. Dra. Ana Carolina Lima Santos
 
Nos últimos anos, artistas latino-americanos têm recorrido à estratégia de apropriação de fotografias do universo afetivo, documental ou jornalístico para materializar memórias dos regimes militares ditatoriais levados a cabo em seus países. À revelação das histórias de opressão, tortura e assassinatos, empreendida sobretudo pelas Comissões Nacionais da Verdade, essas obras adicionam uma dimensão sensível, pelo entrecruzamento de temporalidades heterogêneas que revisitam à luz do presente dimensões testemunhais de outrora. Esta pesquisa se propõe a investigar alguns desses trabalhos, de modo a apreender as especificidades mnemônicas, testemunhais e poéticas neles instauradas; observando, em especial, os anacronismos e ressignificações envolvidos.
 
Conhecer o ouvinte-internauta: Um estudo sobre o perfil da audiência de rádio no cenário de convergência
Profa. Dra. Débora Cristina Lopez
Profa. Dra. Nair Prata Moreira Martins
 
O presente projeto de pesquisa pretende estudar uma lacuna no campo do rádio e convergência: a necessidade de conhecer a audiência. Pretendemos, através de um estudo trienal, realizar uma análise de perfil e preferências do usuário jovem de rádio online. Para isso, desenvolveremos uma pesquisa de usabilidade para a percepção das práticas de consumo de rádio por este público. A metodologia organiza-se em etapas, considerando o que Triviños apresenta como triangulação. A revisão de literatura está presente em todo o percurso do estudo e concentrará a abordagem metodológica no primeiro ano. A primeira fase será de delimitação e afinamento dos procedimentos metodológicos. Para desenvolver a pesquisa, iremos nos apoiar nos conceitos de usabilidade e affordance propostos por Jakob Nielsen, Hoa Loranger, Donald Norman e Steve Krug em seus estudos de aplicados prioritariamente a textos escritos em websites. Neste primeiro momento, a metodologia dos autores será adaptada ao conteúdo sonoro e às narrativas complexas, multimídia e multiplataforma. Serão construídas ferramentas de análise que permitam lançar um olhar cruzado e reflexivo sobre os resultados das etapas do estudo. Ainda neste momento serão afinadas as diretrizes que definirão a composição do corpus do estudo.
 
Mapeamento de controvérsias em ambientes digitais no âmbito de um acontecimento jornalístico brasileiro
Profa. Dra. Jan Alyne Barbosa e Silva
 
O presente projeto de pesquisa buscar implementar e adaptar protocolos de pesquisa utilizando os métodos digitais, com o objetivo de mapear uma controvérsia, no âmbito de um acontecimento jornalístico brasileiro, rastreado em ambientes digitais, que será selecionada ao longo do período de vigência da pesquisa. Objetivos - Aplicar a Cartografia das Controvérsias, método que pode se revelar adequado para descortinar a complexidade de atores (humanos e não humanos) envolvidos num acontecimento jornalístico. - Conhecer técnicas e ferramentas para realizar o mapeamento de controvérsias. - Propor aspectos de inovação no jornalismo, por meio do uso de novas técnicas de coleta, tratamento e análise de redes. - Promover aprendizagem de ferramentas de Análise de Redes, a exemplo do Gephi.
 
Narrativas transmídia em revistas digitais especializadas: um mapeamento dos fluxos de conteúdos entre papel, sites e aplicativos
Prof. Dr. Marcelo Freire Pereira de Souza
 
O presente projeto de pesquisa trienal visa mapear no universo das revistas especializadas nacionais quais são os títulos que além do suporte impresso estão presentes em plataformas digitais (estáticas e móveis). A ideia é observar como se dá a estruturação do conteúdo nestes ambientes a fim de identificar estratégias de composição de narrativas jornalísticas complexas que explorem as potencialidades dos diferentes dispositivos tanto em relação a fruição quanto utilização dos recursos de hipertextualidade, multimidialidade e interatividade. Mapeando a estruturação destas narrativas complexas podemos identificar padrões na produção de conteúdo multiplataforma neste segmento e assim delinear quais perfis e estratégias mais comuns. A metodologia deste projeto está estruturada em momentos: o primeiro focado no reconhecimento do objeto a fim de quantificar as revistas especializadas impressas com versões em sites e aplicativos em ambiente Android e iOS. O segundo com uma perspectiva mista, qualitativa e quantitativa, pretende identificar diferenças nos conteúdos veiculados nas diferentes plataformas para no terceiro momento escolher casos representativos de narrativas multiplataforma e a partir de múltiplos estudos de caso comparativos perceber estratégias comuns em diferentes títulos. A pesquisa será desenvolvida a partir dos conceitos de narrativa transmídia de Henry Jenkins e Carlos Scolari; Affordance e Usabilidade de Donald Norman e Jakob Nielsen; e da tipologia de revistas digitais desenvolvida pelo autor em sua tese.
 
Representações do feminino na publicidade feita para o dia das mulheres
Profa. Dra. Priscila Monteiro Borges
 
A publicidade vista como uma forma de comunicação inserida no contexto social não só anuncia e vende um produto, mas participa da construção de identidades culturais ao representar a sociedade em seus anúncios. A publicidade que se distancia da venda de produtos e se aproxima da veiculação de determinadas ideias com o intuito de influenciar um modo de agir ou pensar ou vincular-se a uma ideia para mudar a imagem da marca no público é chamada de publicidade institucional. Datas comemorativas e eventos sociais importantes são frequentemente associados à publicidade institucional, pois nessas datas os anunciantes têm a oportunidade de vincular sua marca a eventos simbolicamente importantes para a sociedade. O dia das mulheres que não era uma data tão explorada, tem ganhado grande importância para a publicidade. Várias marcas fazem anúncios institucionais nessa data com o propósito de homenagear a mulher e ganhar a simpatia do público feminino. Nesse tipo de anúncio, tanto a mensagem veiculada como o modo de construção dessa mensagem são extremamente importantes para a criação de um universo simbólico cheio de significados com o qual as marcas esperam ser associadas. Observando a história da publicidade podemos perceber que a representação da mulher nos anúncios têm sido um problema constantemente discutido. Frequentemente a mulher é representada de modo estereotipado, o que chama a atenção de muitos consumidores e pesquisadores da área. Se no dia das mulheres as marcas procuram mostrar para a sociedade que estão preocupadas com o direito das mulheres e com o papel da mulher na sociedade produzindo comerciais cujo único objetivo é construir um universo simbólico em torno da mulher, cabe a nós, pesquisadores, investigar que tipo de representação é essa que tem sido construída. Nos interessa, portanto, saber como as mulheres são representadas. Que características elas possuem, em que contexto social são apresentadas, que valores são associados às mulheres. Nos comerciais em homenagem ao dia das mulheres, os estereótipos femininos são reforçados ou há uma ruptura com o modo como a mulher frequentemente é representada na publicidade? Pesquisas sobre representação na publicidade são constantemente necessárias, pois elas mostram como certos valores estão sendo simbolicamente construídos no discurso publicitário. Como esse discurso está inserido na sociedade, ele nos mostra uma certa opinião corrente entre anunciantes e/ou público-alvo e, consequentemente, nos indica um certo modo de pensar de um grupo social. Para observar o potencial significativo de uma representação é preciso considerar a complexidade das linguagens utilizadas que podem indicar mais de uma ideia de mulher num único anúncio. Em alguns casos podemos observar que diferentes características são exploradas pelo título e pela imagem de um anúncio. Em outras ocasiões, o vídeo publicitário pode trazer diferentes cenas que exploram diferentes representações que culminam em um único conceito para a campanha. Por isso, propomos fazer uma análise seguindo o método semiótico de C. S. Peirce que nos permite analisar detalhadamente os modos de representação e perceber as possibilidades significativas para além da interpretação pessoal do pesquisador.